sexta-feira, 27 de agosto de 2010

A UMAPAZ CONVIDA PARA A PALESTRA DE THOMAS ENLAZADOR

“Cultura da Sustentabilidade: A experiência de um empreendimento solidário e sustentável no nordeste brasileiro”
Dia 02 de setembro, às 9h

(Não é preciso se inscrever. Pedimos chegar com 15 minutos de antecedência)

A UMAPAZ recebe no dia 02 de setembro, às 9h, Thomas Enlazador para falar sobre o Centro Ecopedagógico Bicho do Mato, situado na Zona Rural ao Norte do Recife. O espaço é baseado em práticas agroecológicas e permaculturais e tem a Ecopedagogia e a Economia Solidária, como alicerces transversais de suas atividades. Existem espaços comuns zelados e compartilhados pelos moradores e visitantes como o banheiro seco de adultos e crianças, área de compostagem, cozinha comunitária, forno e fogão de barro, galpão de atividades, casa de ferramentas, pomares, espaço da fogueira e rodas, hortas e afins.
Thomas Enlazador é professor, escritor, consultor e ambientalista. Formado em Ciências Jurídicas com foco em legislação ambiental, é Especialista em Educação Ambiental e Consumo Sustentável, Mestre em Gestão e Políticas Ambientais pelo Prodema-UFPE. Autor do Almanaque de Práticas Sustentáveis. Palestrante Internacional, Educador Ambiental há mais de 10 anos, articulador de redes sociais e desenvolvedor de políticas públicas na área de Economia Solidária. Coordena o Pontão de Cultura Sustentável Ciranda Solidária, do Ministério da Cultura, e o Centro Ecopedagógico Bicho do Mato (Zona Rural do Recife). Membro da organização do Fórum Social Mundial e idealizador das Aldeias da Paz nos Fsms.
 
Serviço:

Coordenação: Georges Kharlakian jr.
Local: UMAPAZ - Av. IV Centenário, 1268 - portão 7-A, Parque Ibirapuera
Participação gratuita. Não é preciso se inscrever.


Sábado, dia 28: Festa Sustentável - "Sustentabilidade entre amigos"

“Saberes, Sabores, Amigos, Valores”

FESTA SUSTENTÁVEL - Dia 28 de agosto de 2010
11 às 17 horas

A Festa Sustentável, que será realizada no último sábado do mês de agosto, dia 28, é um evento que busca reunir conceitos, idéias e práticas relacionadas a sustentabilidade de uma maneira dinâmica e festiva. O evento busca transformar as relações estabelecidas a partir da festa e promover outros laços entre os participantes, ampliando as redes e resignificando o espaço acolhedor.
A festa tem como seus principais diferenciais a prática colaborativa, materializada por meio de mutirões de construção coletiva, a prática livre, proporcionando espaços de expressão livres e dinâmicos, com respeito aos princípios e ciclos da sustentabilidade e a promoção de espaços de aprendizagem diversificados para os participantes. Sendo uma festa limpa, faremos a gestão de resíduos, orgânicos e inorgânicos, e a minimização dos impactos do evento, além do uso preferencial de produtos agroecológicos e naturais.
Trabalharemos uma rede de conceitos entorno dos quais a proposta se articula, integrando algumas interfaces e dimensões essenciais para a construção da sustentabilidade, entre os principais estão: alimentação saudável, consumo responsável, economia criativa, cultura, mutirão, tecnologias e novas relações. Teremos ainda, oficinas ambientais, atrações culturais, exibições de filmes, apresentações musicais, comidas orgânicas e outras práticas socioambientais.
Reuniremos amigos para celebrar esse momento de experimentação, colaboração e criação de ambientes. A festa, como espaço educativo pretende construir coletivamente as idéias e atrações para que as técnicas possam ser replicadas em outros locais e com outros amigos.
Espera-se que a idéia de sustentabilidade trazida pela Festa Sustentável, e tratada de forma comprometida ao mesmo tempo em que festiva, possa ganhar força e orientar novas posturas e atitudes, seja um importante momento de reflexão e expressão das mudanças que esperamos.

Contato: Socialize Eventos e CEPPS.org.br e-mail: festasustentavel@gmail.com
 
fonte:
Elizabeth Barbosa

Psicóloga Clinica - Analista de Comportamento
Ecopsicologa
Assessora de projetos Socio Ambientais
Consultora de Sustentabilidade
(11) 9630 0954 (vivo)
http://bichodomeio.blogspot.com/
Saiba mais sobre os ODM-SP http://odmsp.blogspot.com/

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Curso Teórico prático de Manejo Sustentável das Águas

28 e 29 de Agosto de 2010 na Chácara Recanto do Lago, Embu das Artes - SP

Em tempos em que se discute mais amplamente os limites dos recursos naturais e o seu rápido esgotamento pelo modelo de desenvolvimento vigente, discutir e rever estratégias de agir é fundamental. No caso da água a questão é mais alarmante, pois a nossa fonte vida tem sido a maior fonte de morte, já que a sua contaminação representa, segundo a OMS, a maior transmissora de doenças no Mundo.
Nós, enquanto cidadãos, individualmente temos muito o que fazer. Podemos passar a observar mais a nossa relação de consumo e descarte, inclusive para a água. De onde ela vem? Para onde ela vai? Como podemos melhorar esta percepção e atuação?
O consumo de água na metrópole de São Paulo está em níveis bem elevados, ao mesmo tempo em que nem metade do esgoto produzido é tratado.
Atitudes de reaproveitamento de água e tratamentos alternativos de esgoto são passos importantes rumo a uma relação mais harmônica e sustentável com o meio.
Faça parte deste momento de transição, aprenda mais sobre o tema de forma teórica e prática!

Módulo 01 - Águas Negras
Temas Abordados:
Informações gerais sobre a situação hídrica da Metrópole de São Paulo. Teoria e prática referente ao manejo residencial de águas servidas. O que são águas cinzas e negras? Como funcionam os Sistemas de Evapo-transpiração? Design integrado e autoconstruido em propriedades Urbanas e Rurais. Prática: Implantação de um sistema de Evapo-transpiração.

Facilitadores profissionais da área com anos de experiência: Daniel Martins, Rafael Bueno, Cesar Pegoraro, Felipe Pinheiro, Leonardo Tannous e Guilherme Castagna.

Local: Chácara Recanto do Lago - Embu das Artes – SP – 30 min. da Marginal Pinheiros - SP - Alameda do Lago, 31

http://maps.google.com.br/maps?f=d&source=s_d&saddr=Rod.+Raposo+Tavares&daddr=-23.6170811,-46.8263883+to:Alameda+do+Lago,+31+Embu&geocode=FYxKmP4d1DA3_Q%3BFcehl_4dbHw1_Snt7D43K6vPlDFykmtuxLkbqA%3BFXlXl_4dnEg0_Skvp-wsganPlDH_Q_DRxhVThQ&hl=pt-BR&mra=mi&mrsp=0&sz=13&sll=-23.59388,-46.742706&sspn=0.08542,0.131664&ie=UTF8&ll=-23.643738,-46.844673&spn=0.085388,0.131664&z=13&via=1


Alimentação ovo-lacto-vegetariana inclusa.
Hospedagem: alojamento incluso e possibilidade de pousada e hotel próximos ao local.
Obs: pela proximidade com São Paulo (30 min.) é possível pernoitar na residência pessoal.

Valor do Curso:
R$ 200,00 estudantes e
R$250,00 profissionais.

Informações e inscrições: contato.recantodolago@gmail.com
(11) 9538-3829 / 4241 -5976 – Bruno Cavalcante

Apoios e parcerias:
Sitio São Francisco
Grupo Solares
Rodoareia Materiais para Construção Ltda
HumanaTerra
Livraria Tapioca
Loteamento Meu Recanto
Sociedade Ecológica Amigos de Embu

Silvana Ribeiro
Gestão Administrativa
Sociedade Ecológica Amigos de Embu - Projeto Colhendo Sustentabilidade
Contatos: 4781 6837 / 7167 5049 / 7290 8069
E-mail: silmaribe@gmail.com
http://www.seaembu.org/

Usar ecobag ajuda mais do que assinar manifesto

por Andre Vieira, Diario do Grande ABC

=========================================================



Há 11 anos ele abandonou o uso do carro próprio. Desde de 1993, faz a separação do lixo em casa. Na sua cozinha, não entra quase nada de comida pronta. Para adoçar pratos e bebidas, só açúcar orgânico. Quando procura o outro extremo do paladar, vai de sal marinho.

O que para muitos poderia ser sacrifício, para Maurício Waldman, um dos mais antigos ambientalistas do Estado, é só hábito, que não tem nada de radical, não soa ecochato e nem de salvador do planeta.
"Toda vez que usamos sacola retornável e separamos o lixo para o catador levar, contribuímos bem mais do que assinar manifesto em favor do panda", simplificou.
Autor do livro Lixo: Cenários e Desafios, apresentado oficialmente ontem durante a Bienal Internacional do Livro de São Paulo, Waldman falou ao Diário sobre a necessidade cada vez mais urgente de se melhorar a gestão dos recursos sólidos.
"O Brasil é 3,06% da população mundial e 3,5% do PIB global. Mas somos, de acordo com estudos, origem de 5,5% ou 6,9% do total mundial do lixo urbano. Não adianta culpar os países ricos, o problema também é nosso! Só reduzir, reutilizar e reciclar não serve. É preciso repensar o modelo de consumo", afirmou.
Envolvido com os temas ambientais desde a década de 1970, Waldman enxerga evolução no comportamento da sociedade.
Contudo, ao mesmo tempo em que mudança aponta uma saída, mostra também como é longo o caminho.
"A conscientização cresceu. Muitos setores do empresariado avançaram. Nos anos 1990 se fabricavam 64 latinhas com 1 quilo de alumínio. Hoje, se fabricam 74, um avanço indiscutível."
Longe dos holofotes que iluminam os que vêm a público angariar prestígio divulgando suas ações ambientais, o exército de homens e mulheres que trabalha coletando, separando e transportando o lixo, pode ser marginalizado para muitos, mas é vital para a sobrevivência das cidades, segundo Waldman.
"É obrigatório lembrar dos catadores. As pessoas que dizem que a gestão do lixo está um caos não fazem idéia de como as coisas estariam sem o trabalho deles."
Para o especialista, como no título de sua publicação, entender o cenário e o desafio que o lixo apresenta para a qualidade de vida de todos é uma tarefa para Poder Público, indústria e sociedade.
"Os segmentos da economia que mais crescem relacionam-se com a preservação ambiental: energia solar, agricultura orgânica e a reciclagem. Apenas atrasados insistem na sacolinha e nos descartáveis. Não existe vida sem mudança."

Professor realizou trabalhos no Grande ABC
O Grande ABC também é parte da longa da trajetória do professor e pesquisador Maurício Waldman, 44 anos, reconhecido como um dos especialistas mais respeitados quando o assunto é gestão de resíduos sólidos.
Nos dois primeiros anos da década de 1990, Waldman foi coordenador de Meio Ambiente em São Bernardo. Em Ribeirão Pires, trabalhou em cursos de capacitação sobre lixo, água e afro-educação.
Em 2006, voltou à região, mas dessa vez defendendo tese sobre a gestão dos recursos hídricos, enfocando também os mananciais do Grande ABC, com destaque para a Represa Billings.
Waldman é graduado em sociologia, mestre em antropologia e doutor em geografia, todos pela USP (Universidade de São Paulo).
Sua atuação profissional está concentrada em três esferas: no ativismo ecológico, na administração pública e no meio acadêmico.
Entre atividades realizadas no Brasil e no exterior, Waldman também se destaca pela publicação de livros e consultoria em relações internacionais, religião, topologia, antropologia, cidadania e racismo.
Atualmente, Waldman, que foi assessor do histórico ambientalista Chico Mendes, defensor das causas da floresta Amazônica, é pós-doutorando na área dos resíduos sólidos junto ao Instituto de Geociências da Unicamp, onde também é professor da disciplina Geografia da África Negra.

POLÍTICA NACIONAL

O tema abordado no seu mais recente livro, Lixo: Cenários e Desafio, deverá receber mais atenção dos governos a partir da nova Política Nacional dos Resíduos Sólidos - sancionada pela presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no começo de agosto.
Entre outras regras, a norma prevê a extinção dos lixões e o aumento dos índices de reciclagem. (André Vieira)

Trechos
"Decorrência da manifesta vocação das sociedades humanas para transformar o meio natural, o lixo é indissociável das atividades desenvolvidas pelo homem, tanto no tempo quanto no espaço. Assim sendo, sem que nesta afirmação exista qualquer exagero, já nos primórdios da humanidade o lixo constítuia um foco obrigatório de atenções."

Página 11
"Exibindo nos dias atuais uma performance que a mais audaciosa das profecias jamais ousou vaticinar, pela primeira vez na história o homem se sente ameaçado, no âmago de sua alma, pelo lixo. (...) Tomada de incerteza quanto à sua capacidade de solucionar um problema engendrado, no final das contas, por ela mesma, a sociedade contemporânea tornou-se presa da sensação de impotência em dar conta da questão."

Página 45
"(...) O plástico parece ter invadido todas as redes sociais e econômicas. Até as feiras de rua, bastião de formas tradicionais de aquisição de alimentos, também capitularam diante do material. Atualmente, os fregueses levam junto com suas compras tanto plástico-filme quanto se estivessem retornando de um moderno supermercado. A insidiosa invasão do plástico em todos os espaços planetários tornou-se um descalabro mundial. Objetos feitos com esse material estão boiando em praticamente todas as águas marinhas do globo terrestre."

Página 58
"Em síntese, os almejados ‘R'' de Repensar, Reduzir e Reutilizar, apenas poderão se impor - ombro a ombro com práticas ecológicas efetivas abraçadas pelo conjunto da população - mediante um corpo de leis que imponha ações restritivas, coercitivas e/ou punitivas para o setor produtivo e uma atuação do Estado na qual ele demonstre agilidade e efetivo interesse público em fazer com que sejam cumpridas."

terça-feira, 24 de agosto de 2010

CURSO UMAPAZ - Sementes, mudas, árvores e florestas

INSCRIÇÕES ABERTAS PARA O CURSO
De 02 a 23 de setembro

Viveiro Manequinho Lopes

A UMAPAZ oferece de 02 a 23 de setembro, o curso Sementes, Mudas, Árvores e Florestas com o objetivo de capacitar agentes interessados em participar da rede de coleta e beneficiamento de sementes para dispersão planejada no meio ambiente urbano, garantindo que as belezas de nossas florestas sejam mantidas para as atuais e futuras gerações.
As aulas serão ministradas por Yone K. F. Hein, nos dias 02, 09, 16 e 23 de setembro, às quintas-feiras, das 14h às 17h, com coordenação de Eveline Limaverde. O curso é aberto a todos os interessados e prevê aulas teóricas e atividades práticas realizadas no Viveiro do Parque Ibirapuera.

Programa:
1º encontro (02/09): Flora arbórea e sua diversidade.
2º encontro (09/09): Coleta de sementes.3º encontro (16/09): Beneficiamento, quebra de dormência, semeadura em bandejas, tubetes e sacos.4º encontro (23/09): Solos, nutrição, envasamento de plântulas, plantio de árvores em áreas urbanas.

Facilitadora: Yone Hein – Bióloga, docente da Umapaz, atua em educação ambiental para sustentabilidade com visitas monitoradas ao Viveiro Manequinho Lopes. Colabora com DEPAVE-2 na produção de mudas, coleta de sementes junto a seção de Pesquisa da Divisão de Produção de Mudas de SVMA/ DEPAVE, onde realiza projetos de pesquisa. Serviço: “Sementes, Mudas, Árvores e Florestas”

Público: Administradores de parques municipais, estagiários e funcionários de parques e áreas verdes.
Facilitadora: Yone K. F. Hein
Coordenação: Eveline LimaverdeDias e Horário: 02, 09, 16 e 23 de setembro, às quintas-feiras, das 14h às 17hLocal: UMAPAZ – Av. IV Centenário, 1268, Portão 7-A
Vagas: 20 – HAVERÁ SELEÇÃO
Inscrições: envie ficha abaixo para inscricoesumapaz@prefeitura.sp.gov.br

CURSO UMAPAZ - PERSPECTIVAS PARA A SUSTENTABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

INSCRIÇÕES ABERTAS PARA O CURSO


De 13 de setembro a 18 de outubro, a UMAPAZ oferece o curso PERSPECTIVAS PARA A SUSTENTABILIDADE SOCIOAMBIENTAL, destinado aos conselheiros dos CADES regionais, técnicos, educadores e interessados em ampliar e aprofundar o quadro conceitual a cerca da complexidade dos valores envolvidos na questão socioambiental.
O curso tem por objetivo habilitar indivíduos de diversas formações de conhecimento para refletir e atuar integradamente frente aos desafios comuns da sustentabilidade.

As inscrições podem ser feitas de 24 de agosto a 02 de setembro de 2010, através do e-mail inscricoesumapaz@prefeitura.sp.gov.br

Programa
13 de setembro: A emergência da sociedade de risco: dimensões da crise;
20 de setembro: Valores e responsabilidades Institucionais para um novo tempo;
27 de setembro: Capitalismo: transições do modo de produção e consumo;
04 de outubro: São Paulo: Megacidade (in)sustentável;
18 de outubro: Sustentabilidade em ação.

Coordenação e facilitação: Valério Igor Príncipe Victorino, Doutor em Sociologia (USP/SP) e docente da UMAPAZ.

bibliografia de Referência
CAMARGO, Aspásia; CAPOBIANCO, João P.; PUPPIM DE OLIVEIRA, José A.; (Org.) Meio ambiente Brasil: avanços e obstáculos pós-Rio-92. São Paulo: Estação Liberdade: Instituto Socioambiental; Rio de Janeiro: FGV, 2002.
CARTA DA TERRA EM AÇÃO. http://www.cartadaterrabrasil.org/
GIDDENS. Anthony. As conseqüências da modernidade. São Paulo: UNESP, 1991.
JONAS, Hans. El princípio de responsabilidad - ensayo de una ética para la civilización tecnológica. Herder, Espanha: 2004.
NOBRE, Marcos; AMAZONAS, Maurício C. (Orgs). Desenvolvimento Sustentável: A institucionalização de um Conceito. Edições IBAMA, Brasília: 2002.
REDE SOCIAL BRASILEIRA POR CIDADES JUSTAS E SUSTENTÁVEIS. Plataforma cidades sustentáveis, 2010.
ROGGERO, Rosemary. São Paulo, megacidade do século XXI: reflexões sobre a educação para uma sociedade sustentável.VEIGA, José E. Desenvolvimento sustentável – desafio do século XXI. Garamond Rio de Janeiro: 2005.
UNESCO. Década das Nações Unidas da Educação para o Desenvolvimento Sustentável, 2005-2014. Documento Final Plano Internacional de Implementação. Brasília: UNESCO, maio de 2005.
WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo.

Serviço: Curso Perspectivas para a Sustentabilidade Socioambiental
Público focalizado: Conselheiros dos Conselhos Regionais do Meio Ambiente, Desenvolvimento Sustentável e Cultura de Paz, técnicos, educadores, e interessados em geral com nível superior.Duração: 30 horas (20 horas/aula e 10 horas de leituras programadas)

Dia e Horário: 13, 20, 27/09; 04 e 18/10, às segundas-feiras, das 18h às 22h
Local: UMAPAZ – Avenida IV. Centenário, 1268, Portão 7-A, Parque Ibirapuera.
Vagas: 50 – HAVERÁ SELEÇÃOInscrições: 24 de agosto a 02 de setembro.
Resultado da seleção: 09 de setembro de 2010.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

saquinhos feitos de jornal

por Nelson Vilhena Granado -(11) - 32710838 - 91293872 - phisiom@uol.com.br

De grão em grão a galinha enche o papo!!!
A grande justificativa das pessoas que dizem que "precisam" das sacolinhas é a embalagem do lixo. Tudo bem, não dá mesmo pra não colocar lixo em saco plástico, mas será que não dá pra diminuir a quantidade de plástico no lixo? Melhor do que encher diversos saquinhos plásticos ao longo de uma semana é usar um único saco plástico dentro de uma lixeira grande na área de serviço, por exemplo, e ir enchendo-o por alguns dias com os pequenos lixinhos da casa (da pia, do banheiro, do escritório). Se o lixo é limpo, como de escritório (papel de fax, pedaços de durex, etc), pode ir direto para a lixeira sem proteção. No caso dos lixinhos da pia e do banheiro (absorventes, fio dental, cotonetes), o melhor substituto da sacolinha é o saquinho de jornal. Ele mantém a lixeira limpa, facilita na hora de retirar o lixo e é facílimo de fazer. Leva 20 segundos. A ideia veio do origami, que ensina essa dobradura como um copo. Em tamanho aumentado, feito de folhas de jornal, o copo cabe perfeitamente na maioria dos lixinhos de pia e banheiro que existem por aí. Veja:
Você pode usar uma, duas ou até três folhas de jornal juntas, para que o saquinho fique mais resistente. Tudo no origami começa com um quadrado, então faça uma dobra para marcar, no sentido vertical, a metade da página da direita e dobre a beirada dessa página para dentro até a marca. Você terá dobrado uma aba equivalente a um quarto da página da direita, e assim terá um quadrado. Para ver melhor os detalhes, clique na foto para aumentar.

Dobre a ponta inferior direita sobre a ponta superior esquerda, formando um triângulo, e mantenha sua base para baixo.

Dobre a ponta inferior direita do triângulo até a lateral esquerda.

















Dobre a ponta inferior direita sobre a ponta superior esquerda, formando um triângulo, e mantenha sua base para baixo.









Dobre a ponta inferior direita do triângulo até a lateral esquerda.









Vire a dobradura "de barriga para baixo", escondendo a aba que você acabou de dobrar.









Novamente dobre a ponta da direita até a lateral esquerda, e você terá a seguinte figura:














Para fazer a boca do saquinho, pegue uma parte da ponta de cima do jornal e enfie para dentro da aba que você dobrou por último, fazendo-a desaparecer lá dentro.









Sobrará a ponta de cima que deve ser enfiada dentro da aba do outro lado, então vire a dobradura para o outro lado e repita a operação.









Se tudo deu certo, essa é a cara final da dobradura:









Abrindo a parte de cima, eis o saquinho!









É só encaixar dentro do seu cestinho e parar pra sempre de jogar mais plástico no lixo!







Que tal?





Pode parecer complicado vendo as fotos e lendo as instruções, mas faça uma vez seguindo o passo a passo e você vai ver que depois de fazer um ou dois você pega o jeito e a coisa fica muito muito simples. Daí é só deixar vários preparados depois de ler o jornal de domingo!

Rancho dos Gnomos, cuidando de animais resgatados de crimes ambientais, circos, etc

Gostaria de divulgar o Rancho dos Gnomos, em Cotia, SP, que faz um trabalho muito legal, recebendo e cuidando de animais resgatados de crimes ambientais, circos, etc.
Os animais chegam, mtas vezes, em estado lastimável. Recebem tratamento e, dependendo do caso, abrigo ou soltura com reintegração num habitat adequado.
Além de tudo isto, o pessoal do Rancho utiliza, sempre que possível, tratamentos naturais, homeopáticos, florais e até... Reiki!!
Há mtos vídeos sobre eles no Youtube, mas estes aqui são especialmente legais:

http://www.youtube.com/watch?v=_vZp6RyMVyE
http://www.youtube.com/watch?v=FPuTADFbEBU

O site do Rancho: http://www.ranchodosgnomos.org.br/

Cerca de 60 baleias morrem em praia na Nova Zelândia

fonte: http://www.bbc.co.uk/portuguese/multimedia/2010/08/100820_baleias_encalhadas_ir.shtml
20-ago-2010

Cerca de 60 baleias morreram depois de ficarem encalhadas em uma praia no norte da Nova Zelândia.
Equipes de resgate estão tentando libertar outros 15 cetáceos que sobreviveram, cada um pesando cerca de 1,5 tonelada.
Chuvas fortes ajudaram a evitar que os animais secassem, mas estão dificultando o trabalho de salvamento das baleias.
É comum ver esses animais encalhados em praias da Nova Zelândia, que é rota de passagem na migração das baleias que vão e voltam da Antártida.

A responsabilidade ambiental e a nova máquina de ponto dos trabalhadores.

por Flavia Loureiro NAB Núcleo dos Amigos do Brooklin
"INFORMAÇÃO" Direito e Dever de todos Art.5ºXIV,CF/Cap.40 Agenda 21-Sto.Amaro

Enquanto se intensificam campanhas para conscientizar as pessoas a não usarem sacolas plásticas nos supermercados, o governo comemora recordes de redução do desmatamento da Amazônica, o Ministério do Trabalho achou de adotar uma máquina de marcação de ponto que cospe papel o tempo todo.
A Portaria 1510 do Ministério do Trabalho, instituindo as regras para utilização da nova máquina, promete consumir hectares e mais hectares em papel para fornecer diariamente aos trabalhadores comprovantes dos registros de horário.
Eis que o Direito Ambiental se pôs em campo, invadindo até mesmo o Direito do Trabalho. A Juíza da 48ª Vara do Trabalho de São Paulo concedeu liminar desobrigando empresas representadas por uma determinada associação de cumprir a Portaria 1510, escolhendo como um dos fundamentos justamente a ceifa das árvores:
“...a impressão ensejará um gasto indesejável com papel e tinta, contrariando a tentativa de preservação do meio ambiente, que vem sendo uma bandeira de luta mundial e que o uso do sistema de papel, hoje na era da informatização, denota retrocesso, além de não impedir a fraude, uma vez que é possível o empregado registrar a saída, imprimir o comprovante e retornar ao trabalho, da mesma forma que acontece atualmente”, considerou a magistrada.
Num mundo de alta tecnologia, cada vez mais digital e virtual, onde até o Judiciário investe toneladas em informatização, o Ministério do Trabalho destina às papeladas milhares de empresas e milhões de trabalhadores, restringindo o uso de entradas USB apenas aos auditores-fiscais do trabalho, talvez imaginando que a aquisição e uso de pen drives seria inviável econômica e culturalmente pelos próprios trabalhadores, o que não deveria ser aprioristicamente dado como obstáculo, mas sim como um desafio.
O que não se pode mais é segregar, a pretexto de nossas crônicas ignorância e desigualdade, relegando a maioria ao século XIX. Custo por custo, aliás, o de aquisição das novas máquinas pelas empresas não teve a mesma atenção do Ministério, embora na proporção (a Portaria não distingue pequenas de grandes empresas) até deveria.
A intenção é boa, o resultado previsto nem tanto. A marcação e impressão individual de comprovantes na entrada, intervalos e saída do trabalho estima-se que consumirá o dobro do tempo em comparação com o atual sistema, formando enormes filas de trabalhadores ociosos para marcação do ponto, refletindo negativamente na produtividade das empresas.
O Tribunal Superior do Trabalho não considera hora extra o tempo consumido na marcação de ponto que não ultrapasse cinco minutos na entrada e outros cinco minutos na saída do expediente. Se a nova máquina vingar, esse conceito terá que ser alterado, sob pena de se onerar ainda as empresas com milhares de horas extras por ano. Tudo isto, repise-se, à custa do sacrifício de milhares de árvores.
Faz lembrar o palanque histórico de uma das candidatas à Presidência da República que vivia repetindo, mesmo quando ainda era Ministra, que a preocupação ambiental deve ser partilhada por todos os demais Ministérios, por “permear” todas as grandes decisões em qualquer área. O Ministro do Trabalho pode ter esquecido deste detalhe ou não dado a devida importância. Mas o Judiciário Trabalhista ensaia dar, e muita. A liminar mencionada não é a única, já existem outras se espalhando pelo país afora, assim como há também liminares indeferidas, colocando definitivamente a polêmica na ordem do dia.
A ótica ambiental nem seria central, desacostumados que estamos de lançar mão, ainda, da defesa do meio ambiente em tudo, tanto assim que o deputado Arnaldo Madeira propôs projeto de Decreto Legislativo no sentido de cassar a Portaria 1510, justificando que o Ministério do Trabalho legislou onde não poderia legislar, substituindo o Congresso Nacional e, portanto, ferindo a Constituição Federal no seu princípio da legalidade (ninguém pode ser obrigado a fazer ou deixar de fazer senão em virtude de lei).

Em nome das árvores da Amazônia ou não, a Portaria 1510 está sob fogo cruzado. É esperar pra ver se prevalece o desmatamento ou o pretendido controle mais eficaz da jornada dos trabalhadores, por razões verdes ou de outras matizes.

Ainda que inconfessáveis outros interesses econômicos pudessem estar camuflados de responsabilidade ambiental, se esta se cumpre, importa é que se escreva certo ainda que por linhas tortas, até porque as intenções sempre são de pouca valia.

Fonte: Empresas & Negócios, por Mário Gonçalves Júnior, 16.08.2010,  É advogado do escritório Rodrigues Jr. Advogados e pós-graduado em Direito Processual Civil.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Pela aprovação do Código Federal de Bem-Estar Animal

Olá!

Gostaríamos de agradecer, em nome dos animais, pela imensa colaboração em prol do Código Federal de Bem-Estar Animal. Já passamos de 390 mil assinaturas! Precisamos continuar demonstrando a força das pessoas que amam e defendem os animais, pedindo urgência para a aprovação deste Projeto de Lei de autoria do Deputado Ricardo Tripoli, através do abaixo-assinado.
Se você ainda não assinou, poderá fazê-lo agora e contribuir por uma nobre causa em Defesa da Vida. Se você já assinou, gostaríamos de agradecer mais uma vez e pedir que nos ajude a divulgar o abaixo-assinado. http://www.leideprotecaoanimal.com.br/

Precisamos de 500 mil assinaturas!
Participe! Traga seus familiares, amigos, colegas!
Os animais não dominam nossa linguagem, não escrevem, não votam.
Nós falamos, lutamos, e temos força para defendê-los!
Pela aprovação do Código Federal de Bem-Estar Animal

Projeto de Lei 215/2007, de autoria do Deputado Tripoli

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Regiao do Jabaquara - Instituições com foco na Criança e Adolescente

Boa Tarde à todos os membros da Rede,
Se você é, participa ou conhece alguma instituição no Jabaquara que tem foco nas crianças e adolescentes, nos comunique.
Como muitos sabem, a PLATAFORMA DOS CENTROS URBANOS, uma iniciativa do UNICEF, está com um Grupo Articulador no Jabaquara, do qual o Coração Família faz parte. Queremos promover grandes mudanças para nossas crianças e adolescentes de todo o jabaquara, porém para que esse sonho se realize precisamos de todos.
Para isso faremos uma visita em cada instituição, a fim de mostrar e esclarecer mais sobre o PCU, pedimos para os interessandos nos mande um e-mail para coracao.familia@hotmail.com, com os seguintes dados:


  • Nome da instituição;

  • Endereço;

  • Contato (tel, cel, e-mail, site);

  • Rápido resumos das atividades que desenvolve;

  • Melhores dias da semana e horário para visita;

Agradecemos desde já a colaboração de todos, deixando claro que procuramos instituições apenas do jabaquara.
  
Projeto Coração Família -  Centro de Convivência da Família
"O mundo está no coração daqueles que tem coragem de sonhar e correr o risco de viver seus sonhos!"
 Alô Coração -  3487-5093

Travessa Ângelo Lazary 01 Vila Santa Catarina - Jabaquara
coracaofamilia.ning.com
 twitter.com/coracaofamilia

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

II Mostra Nacional de Produção Audiovisual Independente - Circuito Tela Verde

Exibições de curtas, documentários e outras produções audiovisuais voltados à questão socioambiental, acompanhados de debates

Durante o mês de agosto, a Universidade Aberta do Meio Ambiente e Cultura de Paz (UMAPAZ) receberá a II Mostra Nacional de Produção Audiovisual Independente promovido pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA), com o apoio do Ministério da Cultura (MinC). O evento, também conhecido como Circuito Tela Verde, traz produções com temáticas socioambientais com o objetivo de sensibilizar e estimular o debate sobre as questões ambientais.

A mostra será apresentada nos dias 07, 14, 21 e 28 de agosto (sábados), das 10h às 13h. Serão exibidos 29 vídeos, entre curtas de animação de um minuto, documentários e entrevistas produzidas por agentes ambientais de diferentes regiões do Brasil, oferecendo um panorama das realidades locais.

A programação foi dividida em cinco grandes temas: Sustentabilidade, Desenvolvimento Insustentável, Biodiversidade, Água e Lixo. Os filmes serão exibidos das 10h às 11h e das 11h30 às 12h30, seguidos de debates sobre o conteúdo registrado nos filmes, mediados por técnicos e docentes da UMAPAZ.

A participação é gratuita e não é preciso inscrever-se. Pedimos ao público que chegue 15 minutos antes do inicio dos horários de exibição.

Programação:

· Dia 21 de agosto, das 10h às 13h

Mediador: Vitor Lucato, biólogo, ecólogo, docente da UMAPAZ.

Biodiversidade

Das 10h às 11h

- Manejo Agroecológico da Caatinga (27’18”)

- Jardim Botânico (13’27”)

- Um passeio entre contrastes (18’54”)



Das 11h30 às 12h30

- Visitação ao Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros (12’28”)

- Das Margens da história às Margens do Purus (22´)

- Não mangue de mim (13’59”)

- Árvores da vida (10’41”)



· Dia 28 de agosto, das 10h às 13h

Mediadora: Eliana Rizzini, bióloga, docente da UMAPAZ.

Água

Das 10h às 11h

- Elos das águas (9’)

- Caminho das águas (22’07”)

- Dia Mundial da água (22’28”)

- Detetives do rio (7’04”)



Lixo

Das 11h30 às 12h30

- Copos (2’36”)

- Saindo da lixeira (46’02”)

- Expedição Taquaruçu (8’)



Serviço: CIRCUITO TELA VERDE

II Mostra Nacional de Produção Audiovisual Independente

Dias e Horário: 21 e 28 de agosto (sábados), das 10h às 13h

Sessões: às 10h e às 11h30 – Debate: das 12h30 às 13h

Mediadores: André Luis Moura de Alcântara (sociólogo), Valério Igor Vitorino (sociólogo), Vitor Lucato (biólogo, ecólogo), Eliana Rizzini (bióloga).

Local: UMAPAZ – Auditório Verde

End.: Av. IV Centenário, 1268 – Portão 7-A – Parque Ibirapuera

Coordenação: Cassia Domingues e Mariana Belmont

Participação Gratuita - Não é preciso inscrever-se

Pede-se chegar 15 minutos antes do início de cada sessão

Cartilha: Municipio Verde AZUL

Uma cartilha com algumas idéias, é a preocupação de um trabalho pela conservação ambiental, alcançar o bem-estar dos cidadãos.
Os municípios tem como responsabilidade legislar complementarmente sobre as questões ambientais, dese que exista interesse local.
Assim as leis municipais, por lógica, devem ser mais restritivas, mais rigorosas do que a legislação complementada, federal ou estadual.
A restrição a maior expressa a maneira do município identificar seu interesse.

http://cpeaunesp.files.wordpress.com/2010/08/municipio-verde-azul-a-responsabilidade-do-legislativo-local1.pdf

COMO COLETAR E DESCARTAR CACOS DE LÂMPADAS MINI FLUORESCENTES QUEBRADAS

ELAS CONTEM MERCÚRIO !!!!!!
Nem sempre sabemos o que fazer quando quebramos estas lâmpadas, então veja o aviso:

Aviso do Ministério britânico da Saúde ...
Atenção às lâmpadas de baixo consumo de energia. Se alguma se quebrar, devemos seguir as instruções do Ministério da Saúde britânico, que repasso, para evitar os graves danos causados pelo mercúrio à sua saúde e principalmente ao meio ambiente:

Estes tipos de lâmpadas que são chamadas de lâmpadas de baixa energia, são perigosas quando se quebram! Em caso de quebra acidental todo mundo vai ter que sair da sala/quarto, pelo menos por 30 minutos, devido aos vapores tóxicos do Mercúrio que se espalham pelo ambiente!!

Estas mini lâmpadas contém Mercúrio (venenoso), que causa enxaqueca, desorientação, desequilíbrios e diferentes outros problemas de saúde quando inalado.

Em pessoas com alergias, causa problemas de pele e outras doenças graves se for tocado e/ou inalado.

Além disso, o ministério da saúde britânico alertou para não usar aspirador de pó para coletar os restos da lâmpada quebrada , pois a contaminação (por mercúrio) se espalhará em outras regiões da casa quanto você estiver usando o aspirador de pó novamente.

Como recolher / descartar os cacos da lâmpada:

1) Se tiver em casa uma máscara descartável (daquelas usadas para proteção do virus da Gripe H1N1), use-a evitando inalar o vapor do Mercúrio.
2) Use uma luva de borracha para pegar cuidadosamente os cacos da lâmpada quebrada, inclusive o que sobrou dela.
3) Coloque os cacos / sobras da lâmpada sobre um pano/flanela velha (nunca use jornal) embrulhando bem, e coloque (o pano com os cacos) dentro de um saco plástico. Amarre a boca do saco plástico.
4) Descarte o saco plástico (com os resíduos da lâmpada) em local adequado para descarte de baterias de celular ou pilhas comuns (algumas lojas como a Leroy Merlin tem este serviço).
5) Passe adiante esta informação (mas retire meu e-mail para proteger a minha privacidade!)

Aviso: O mercúrio é mais venenoso que o chumbo ou arsênio!!

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Consideramos que a educação ambiental para uma sustentabilidade eqüitativa é um processo de aprendizagem permanente, baseado no respeito a todas as formas de vida. Tal educação afirma valores e ações que contribuem para a transformação humana e social e para a preservação ecológica. Ela estimula a formação de sociedades socialmente justas e ecologicamente equilibradas, que conservam entre si relação de interdependência e diversidade. Isto requer responsabilidade individual e coletiva em nível local, nacional e planetário.


Data: 26/7/2010 - Fonte: Portal MEC - Autor: MEC

http://www.coepbrasil.org.br/portal/Publico/apresentarArquivo.aspx?ID=3682

Manual para educadores ensina a investigar a biodiversidade

Incentivar o aprendizado sobre o meio ambiente e o valor de seus ecossistemas é uma prática que deve ser adotada em qualquer idade. O ensino desde cedo, a jovens e crianças, porém, ajuda a solidificar a consciência ecológica e a importância da conservação da natureza. Com esse propósito, o WWF-Brasil, em parceria com o Instituto Supereco e a ONG Conservação Internacional (CI-Brasil), produziu a publicação ‘Investigando a Biodiversidade: Guia de apoio aos educadores do Brasil’.

A primeira oficina organizada pelo WWF-Brasil com a utilização desse material ocorreu nos dias 19 e 20 de julho, no município de Apiacás, no Mato Grosso. Participaram da capacitação 74 professores de educação ambiental infanto-juvenil de escolas da rede municipal e estadual. De acordo com Bruno Reis, analista do Programa Educação para Sociedades Sustentáveis, do WWF-Brasil, o objetivo das atividades é trazer um tema complexo - a biodiversidade - para o universo prático e cotidiano das pessoas.

Para Lauzina Pereira Souza, educadora da Escola de Educação Infantil Construindo Saber, “as oficinas foram de grande proveito, com excelente desenvolvimento do aprendizado. Para passar o conhecimento precisamos recebê-lo. E, particularmente, fiquei surpresa com o conteúdo e a didática da capacitação. Muito criativo!”.

Outro objetivo da oficina foi oferecer matéria-prima para a produção da segunda cartilha didática para escolas, esta sobre biodiversidade. O WWF-Brasil, juntamente com o Instituto Centro de Vida (ICV), coordenou a elaboração da primeira cartilha, ‘Apiacás: Povo e Memória’, sobre história e geografia do município, aplicada como recurso paradidático nas escolas municipais e estaduais. O intuito dessas ações e produtos de educação ambiental é desenvolver processos e materiais didáticos condizentes com a realidade local.

A publicação ‘Investigando a Biodiversidade’ é um guia de apoio, que visa direcionar o olhar dos educadores para a biodiversidade e disseminar conhecimento sobre ela, aproveitando o entorno da escola como uma das fontes de inspiração e investigação para praticar a percepção real sobre a biodiversidade.

O livro fortalece a importância do tema, trazendo conceitos, métodos e atividades para facilitar o trabalho de professores e multiplicadores de educação ambiental do ensino fundamental, com foco para jovens de 11 a 17 anos.

As oficinas buscam ampliar a consciência ambiental e preparar os professores para abordar o tema nas aulas de uma forma diferente. A próxima oficina está prevista para meados de agosto, com professores de escolas que estão situadas dentro de reservas extrativistas no município de Colniza, também no Mato Grosso.
 
 

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Movimento Nós Podemos São Paulo

Para comemorarmos juntos a Semana Nacional pela Cidadania e Solidariedade, reforço o convite para o nosso próximo encontro, onde o Pinel ODM “Humanizando os Indicadores de São Paulo” será apresentado.
Encaminharei o convite novamente juntamente com a programação completa, adiantando que está confirmada a participação da Fundação SEADE – Sistema Estadual de Análise de Dados, para a apresentação dos indicadores do Estado de São Paulo (veja em: http://www.seade.gov.br/).

Um grande abraço,
Regina Ma. Meireles da Fonseca - Movimento ODM - Nós Podemos São Paulo

Plataforma Ambiental tem lançamento em São Paulo e na internet

No próximo dia 18 de agosto (quarta-feira) 2010, a Fundação SOS Mata Atlântica lança em São Paulo a Plataforma Ambiental para o Brasil. O documento foi produzido com o objetivo de apresentar as principais questões ambientais da atualidade que precisam ser discutidas, respondidas e solucionadas pelos próximos dirigentes do país. Além disto, é um instrumento de apoio ao cidadão na busca do compromisso de seus candidatos que também podem utilizá-la e incorporar os temas em seu Plano de Governo. O evento de lançamento acontece às 19h30, na Assembleia Legislativa de São Paulo, no auditório Franco Montoro. No dia seguinte (19/08), às 11h, acontecerá uma entrevista online na comunidade Conexão Mata Atlântica (http://www.conexaososma.org.br/). Se você não está em São Paulo ou não poderá ir até a Assembleia, participe virtualmente. Basta acessar o site a Conexão e se cadastrar. Também será lançado o hotsite da campanha (www.sosma.org.br/plataforma), onde o documento ficará disponível para download e todos poderão acompanhar seu andamento.

Energia das plantas

10/8/2010, Por Fabio Reynol, de São Pedro (SP)

Agência FAPESP – O Brasil deixa no campo até 45 toneladas de galhos e cascas de eucalipto por hectare plantado. Cerca de 5% dessa biomassa se refere a diferentes tipos de açúcares, como frutose, sacarose, glicose e galactose, que poderiam ser transformados em álcool por meio de processos de fermentação.

Com cerca de 4,5 milhões de hectares de eucaliptos plantados no Brasil, o ganho promovido por tal utilização seria muito significativo. Os dados fazem parte da pequisa de Carlos Labate, professor da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (Esalq-USP), e foram apresentados no 2º Congresso Pan-Americano sobre Plantas e Bioenergia, iniciado domingo (8/8), em São Pedro (SP).

Além da casca de eucalipto, milho, cana-de-açúcar, algas, soja e muitas outras fontes de biocombustível estão no centro das discussões do evento que reúne pesquisadores em química, genética, ecologia e fisiologia, entre outras disciplinas.

“O objetivo do encontro é reunir especialistas em diversas áreas de pesquisa sobre energia a partir de plantas, a fim de construirmos um quadro amplo das diversas questões envolvidas”, disse Marcos Buckeridge, professor do Instituto de Biologia da Universidade de São Paulo e coordenador do evento, à Agência FAPESP.

“Conseguimos reunir, no simpósio, alguns dos principais pesquisadores no mundo nessas áreas”, disse Buckeridge, que é membro da coordenação do programa BIOEN-FAPESP e diretor científico do Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE), em Campinas (SP).

A apresentação de abertura foi feita pelo fisiologista Paul Moore, do Hawaii Agricultural Research Center (Estados Unidos), que discorreu sobre a importância e as perspectivas da cultura da cana-de-açúcar para a produção de bioenergia de maneira sustentável ao ambiente.

Moore considera a cana-de-açúcar estratégica para os Estados Unidos conseguirem cumprir as metas assumidas em 2007 de produzir 36 bilhões de galões de combustível a partir de fontes renováveis até o ano de 2022. “Para atingir esse número, a produção [dos biocombustíveis] terá que acelerar e bem rápido”, alertou.

Como solução, o pesquisador propõe o desenvolvimento de novas variedades da planta a partir de cruzamentos entre diferentes famílias. O objetivo seria transformar por hibridização a atual cana-de-açúcar em “cana-de-energia”, um cultivar que teria menores teores de água e de açúcar em troca de fibras mais longas e em maior quantidade.

“As fibras são fundamentais para a chamada segunda geração do etanol, obtido a partir das fibras de celulose. A quantidade de açúcar não é importante nesse caso”, afirmou.

O maior desafio para a produção norte-americana é desenvolver uma espécie de cana-de-açúcar resistente ao frio. A mais cultivada no mundo, a Saccharum officinarum, é tropical e não suporta baixas temperaturas, por isso os países sul-americanos e os africanos são os mais adequados para produzi-la. Nos Estados Unidos, somente o extremo sul do país, que compreende uma pequena parte dos estados da Flórida e do Texas, é capaz de manter plantações.

Moore sugere cruzamentos entre a Saccharum officinarum com cultivares do gênero Miscanthus, uma gramínea que resiste a invernos rigorosos e é encontrada até na mais fria região da Columbia Britânica, no Canadá.

“A espécie híbrida poderia avançar para o norte ocupando primeiro o meio dos Estados Unidos, chegando em uma segunda etapa até o norte do país, que é mais frio”, disse.

O cientista ressalvou os problemas inerentes de novas espécies. “Elas terão comportamento imprevisível e não conhecemos seus efeitos sobre os insetos e sobre as doenças dos vegetais. Não podemos aumentar a produção de biocombustível se ela for ambientalmente insustentável”, disse.

Produção mais eficiente

Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da FAPESP, falou no congresso sobre a história do etanol brasileiro desde a introdução da cana-de-açúcar no país, no século 16, passando pelo programa Proálcool, na década de 1970, em meio à crise do petróleo na época.

“O Brasil começou a utilizar o etanol por necessidade. O país, que gastava, em 1974, US$ 750 milhões em importações de petróleo, passou a pagar mais de US$ 4 bilhões no ano seguinte”, disse.

Brito Cruz destacou que o Estado de São Paulo responde por dois terços da produção nacional atual do combustível, daí a importância de iniciativas como o Programa BIOEN-FAPESP.

Entre os desafios para a pesquisa brasileira nesse setor, Brito Cruz ressaltou o aumento da eficiência dos processos para produção de biocombustível, com a utilização de menos água, menos energia gasta e sem precisar aumentar a área cultivada.

A grande diversidade genética do milho foi tratada por Steve Moose, da Universidade de Illinois (Estados Unidos). Os estudos do cientista indicaram que o milho tem grande capacidade de maximizar a aplicação de nitrogênio, apresentando alta produção em troca de menores doses do macronutriente.

Segundo Mosse, o milho é um bom produtor de açúcares que podem ser convertidos em etanol. Além disso, a planta apresenta grandes oportunidades de melhoria genética e conta com práticas agrícolas bem estabelecidas e conhecidas dos produtores no país, o que facilitaria a produção e a introdução de novas espécies.

O professor Paulo Sergio Graziano Magalhães, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), apresentou no encontro o livro Bioetanol de Cana-de-açúcar.

A obra, que será lançada em breve, reúne trabalhos de 139 especialistas, que vão desde desenvolvimento genético e técnicas agrícolas, passando pelas relações de trabalho no campo até políticas públicas envolvidas no desenvolvimento do setor.

Sob a organização geral de Luiz Augusto Barbosa Cortez, professor da Unicamp e coordenador adjunto de Programas Especiais da FAPESP, o livro é dividido em 76 capítulos. Com 992 páginas, estará disponível em português e inglês.

Mais informações sobre o livro Bioetanol de Cana-de-açúcar: http://www.blucher.com.br/livro.asp?Codlivro=05319
 
fonte: Em 11 de agosto de 2010, 02:33, Nina Orlow - ninaorlow@gmail.com

Cursos gratuitos - FGV

27/07/2010 08:38

Cursos gratuitos da FGV

Os associados que tiverem interesse em aprimorar conhecimentos sem nenhum investimento, a Fundação Getúlio Vargas oferece gratuitamente várias opções de cursos online. A instituição é a primeira no Brasil a fazer parte do OCWC (Open Course Ware Consortium) - consórcio de ensino de diversos países que oferece conteúdos e materiais didáticos pela internet. Entre os cursos disponibilizados pela FGV, estão:

- Balanced Scorecard;
- Conceitos e Princípios Fundamentais do Direito Tributário;
- Consultoria em Investimentos Financeiros - Intermediação Financeira;
- Direito do Trabalho - Contratação do Trabalhador;
- Fundamentos da Gestão de Custos;
- Gestão de Pessoas - Motivação nas Organizações;
- Processo de Comunicação e Comunicação Institucional;
- Estratégia de Empresas - Introdução à Administração Estratégica;
- Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável - História da Questão Ambiental;
- Gestão de Marketing - Produto, Marca, Novos Produtos e Serviços;
- Gestão da Tecnologia da Informação - TI nas Organizações: Estratégia e Conceitos;
- Técnicas de Gerência de Projetos - Gerenciamento do Escopo do Projeto;
- Ciência e Tecnologia;
- Diversidade na Organização;
- Ética Empresarial;
- Recursos Humanos.

Para obter mais informações ou fazer sua inscrição, basta acessar o site:
http://www5.fgv.br/fgvonline/CursosGratuitos.aspx
É necessário possuir o AdobeFlash Player 9.0 ou versão superior instalado na máquina.

Ao término de cada curso, será realizado um teste e quem atingir média igual ou superior a 7,0 recebe também um certificado de conclusão.
Aproveite essa oportunidade e invista em seu crescimento profissional

DATERRAECOS: Editais de consultoria + apoio a projetos

APOIO A PROJETOS: Reflorestamento em áreas degradadas - restauração ambiental (até 09/09)
Ministério da Ciência e Tecnologia – MCT

INSCRIÇÕES: Prêmio Chico Mendes de Meio Ambiente 2010 (até 31/08)
Ministério do Meio Ambiente (MMA)

INSCRIÇÕES: Políticas Públicas de Apoio à Comercialização de Prod. da Sociobiodiversidade (até20/08)
Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA)

CONTRATAÇÃO: Assistente de Direção - Meio Ambiente (até 16/08)
Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia - IPAM

APOIO A PROJETOS: Manejo da Biodiversidade com base no desenvolvimento comunitário
Fundo Nacional do Meio Ambiente - FNMA/MMA

APOIO A PROJETOS: Recuperação Florestal de Áreas Alteradas
Fundo Nacional do Meio Ambiente - FNMA/MMA

CONTRATAÇÃO: Consultor para Comercialização da agricultura familiar (até 15/08)
Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA)

CONTRATAÇÃO: Consultor para inserção dos agricultores fam. em atividades agroindustriais (15/08)
Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA)

CONTRATAÇÃO: Consultor para o Programa Mais Alimentos do MDA (até 15/08)
Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA)

CONTRATAÇÃO: Consultor para promoção da Agroecologia na ATER (até 15/08)
Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA)

CONTRATAÇÃO: Consultor para avaliação de projetos - Selo Combustível Social (até 15/08)
Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA)

CONTRATAÇÃO: Consultor para inserção da agricultura familiar no biodiesel (até 15/08)
Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA)

CONTRATAÒªÃO: EXPEDIÒªÃO VILLAS-BÔAS PELO BRASIL (até dia 15/08)
FUNDAÇÃO VILLAS-BOAS - FVB

CONTRATAÇÃO: Consultoria para elaboração de plano de manejo FLONA do Amapá (13/08)
Conservação Internacional-Brasil

Edital: Projetos de apoio a catadores de resíduos recicláveis (até dia 13/08/10)
Fundação Nacional de Saúde – FUNASA

Edital: Apoio a 79 projetos de caráter socioambiental (até dia 13/08)
Gerência Nacional de Responsabilidade Social Empresarial - Caixa Econômica Federal

Gustavo Assis - Engenheiro Florestal
DATERRA - LIVROS E PRODUTOS ECOSSOCIAIS
loja virtual: http://loja.daterraecos.com.br
e-mail: daterra@daterraecos.com.br
twitter: http://twitter.com/DaTerraecos

Concurso de Video Amardor - Residuos Solidos

curso de HORTICULTURA E JARDINAGEM

VOCÊ MORA PERTO DO PARQUE LIONS CLUBE TUCURUVI?

TEM INTERESSE POR HORTICULTURA E JARDINAGEM?
VEJA ESSAS OPORTUNIDADES

O Parque Lions Clube Tucuruvi está com inscrições abertas para oficinas e cursos de horta e jardinagem, abertas a adultos e jovens com mais de 14 anos. Os certificados serão emitidos pela Escola Municipal de Jardinagem.
Os interessados podem se inscrever de segunda-feira a sábado, das 10h às 17h, pelo telefone: (11) 2203-5837, por e-mail: parquelionsclubetucuruvi@yahoo.com.br ou pessoalmente no Parque, rua Padre Leopoldo Brentano, n.º 09, Tucuruvi.

Para efetivar a inscrição, devem ser informados os seguintes dados: curso pretendido, nome, endereço, telefone, data de nascimento e número de R.G.

MINI CURSO DE JARDINAGEM:
Carga Horária: 16 horas (4 aulas de 4 horas cada)
Dias: 10, 17, 24/09 e 01/10 (sextas-feiras) 13h30 às 17h30

Conteúdo: Aula 1: Jardinagem e meio ambiente; estudo da planta; estudo e preparo do solo; composto orgânico - Aula 2: Multiplicação de plantas (sementes e vegetativa); controle de pragas e doenças - Aula 3: Árvores, arbustos e trepadeiras: identificação, plantio e manutenção - Aula 4: Gramados, forrações e plantas de interior: identificação, plantio e manutenção

OFICINA COMO CUIDAR DE PLANTAS DENTRO DE CASA:

Carga Horária: 3 horas
Dia: 11/09 (sábado) das 9 às 12h

Objetivo: Apresentar os conceitos e conhecimentos sobre o cultivo de plantas em ambientes internos. O participante deverá trazer um vaso pequeno (12cm de altura por 14cm de diâmetro) para sua participação.

OFICINA DE ERVAS AROMÁTICAS EM JARDINEIRAS:
Carga Horária: 3 horas
Dia: 11/09 (sábado) das 14 às 17h

Objetivo: Ensinar técnicas de cultivo de ervas aromáticas. O participante deverá trazer uma jardineira de pequenas dimensões, aproximadamente 30 cm de comprimento para sua participação.


OFICINA TERRÁRIO:
Carga Horária: 3 horas
Dia: 30/09 (quinta-feira) das 9 às 12h

Objetivo: Apresentar conceitos básicos sobre o funcionamento dos ciclos da natureza a partir da criação de um ambiente que simule, em pequena escala, as condições naturais do Planeta Terra. O participante deverá trazer um pote de plástico, vidro ou acrílico, transparente, de no mínimo 10cm de altura, com tampa; por exemplo, embalagem café, maionese, vidro doces de leite, palmito etc.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Campanha Limpa Brasil

Dias antes de embarcar para o Brasil, em maio de 2010, e apresentar oficialmente a parceria do Let’s do it! com a Atitude Brasil,o ambientalista Rainer Nolvak nos concedeu a entrevista abaixo:

O que o levou a escolher o Brasil como uma das etapas desse seu trabalho em todo o mundo?

Fui convidado para o III Fórum de Comunicação e Sustentabilidade, no Rio de Janeiro, e então percebi que este é o país com a maior biodiversidade da Terra! Brasil, lar de muitas culturas indígenas, um lugar onde ressoam muitos pensamentos de transformação verde da economia mundial. Os brasileiros são pessoas solidárias, também. O Rio é uma cidade linda. Então porque não ajudar?

O que o senhor conhece do Brasil?

Não muito, realmente, além do que eu li. Estou ansioso para participar do fórum no Rio de Janeiro e conhecer o Brasil de perto.

Qual a razão de o projeto realizar a limpeza na cidade do Rio de Janeiro?

Nosso humilde sonho é ajudar as pessoas a limpar o planeta. País por país. O Brasil é enorme, por isso é preciso muita coragem para limpar todo o país de uma vez. O Rio vem desenvolvendo uma infra-estrutura que torna possível um resultado sustentável.Nós estamos ansiosos para saber como vamos trabalhamos com os cariocas. Cada lugar tem sua própria história e outros serão construídos com essa experiência.

Existe a possibilidade de realizar tal evento na cidade de São Paulo, a quarta maior cidade do mundo em tamanho e com muitos problemas, principalmente o de limpeza?

Por que não? O time do Let’s Do It! em Nova Deli, esta preparando o clean-up de tamanho semelhante! Eles já fizeram um piloto de limpeza e estão buscando apoio. A questão não é o tamanho da cidade , mas a vontade das pessoas dizerem “eu quero São Paulo limpo!”

Como deve ser feito esse trabalho no Rio?

Tudo o que posso fazer é compartilhar a minha história. A história de limpar o Rio está nas mãos de pessoas de bem do Rio! O que você pode fazer? Ouse imaginar – uma cidade limpa, o Rio de Janeiro. Converse com seus amigos, para ver o que eles pensam disso. Junte-se ao movimento, se vocêª sentir que está pronto. Se mora em outro lugar, comece a preparar o movimento em sua cidade! Mudar a mentalidade das pessoas é um enorme trabalho, de equipe – por isso todos são bem vindos.

O senhor acha possível realizar a limpeza em locais de pouco acesso, como os morros cariocas, que convivem com o problema do tráfico de drogas?

Eu acho que ninguém deveria proibir ninguém de participar do Limpa Brasil. Assim como ninguém pode obrigar ninguém. A verdadeira força do Limpa Brasil reside na união, em uma cooperação em massa com todos para limpar a cidade. Percebemos que a mudança de hábitos é uma tarefa gigantesca. É uma luta pessoal para muitos, não é fácil mudar maus hábitos . É como parar de fumar! Assim como um fumante precisa do apoio de outras pessoas para parar de fumar, nós precisamos de todos para decidir viver em um ambiente livre de lixo. Culpar alguém só faz as pessoas se defenderem e não resolve muito. Então por que não pedir-lhes para participar?

Não haveria problemas de segurança para efetuar o trabalho?

Se isso fosse um trabalho provavelmente poderia haver um problema de segurança. Mas não é trabalho! Pode ser dificil acreditar, mas o Clean-Up Day na Estônia foi lembrado como uma das experiências mais positivas dos últimos anos. Ela trouxe lágrimas aos olhos das pessoas quando viram que foi possivel fazer isso. Pessoas que realmente se importam com seus países. Pessoas que se preocupam tanto, que estavam dispostos a pegar o lixo que fosse necessário! Então eu acho que é bastante simples: todas as regiões da cidade tem pessoas que se importam. Alguns tem vida dura, alguns uma vida melhor, mas todos se importam. Não são necessariamente as pessoas mais ricas que se preocupam mais. Nossa tarefa é falar aos corações de todas essas pessoas e pedir ajuda.

Em que países já foram realizados o Let’s do it!?

Quando começamos na Estônia em 2008, os nossos países vizinhos ,a Lituânia e a Letônia, imediatamente seguiram com mais de 100 mil pessoas. Em seguida, na primavera deste ano, Portugal deu o pontapé inicial no Limpar Portugal, com mais de 100 mil voluntários. Em abril, a Eslovênia surpreendeu a todos – mais de 250 000 pessoas vindo deste pequeno país, isso representa 12,5 por cento da população! Romenia é a próxima, em setembro, seguido de Porto ( Portugal), Kiev (Ucrânia) e assim por diante.

Como foi feito o trabalho nesses locais?

Fizemos um vídeo depois do Clean Up Day na Estônia e colocamos no Youtube. Então, começamos a receber e-mails de vários lugares. Algúem que ouvia falar de uma campanha audaciosa e que então começava a falar para amigos e, de repente, foram criadas grandes equipes em seus países. O interessante é que temos a sorte de contar com os melhores profissionais e pessoas muito dedicadas em nossos times. Essas pessoas realmente tem trabalhado com o coração! É como pegar uma onda – é contagioso, assim como ver muitas pessoas de bem, cuidando e querendo participar na criação de um ambiente limpo. O sentimento de união é algo que está perdido em nosso mundo, individualista e consumista. Você não pode comprar isso.

Nos outros eventos já realizados houve algum tipo de problema? Qual?

Em alguns países, a parte mais dificil foi a colaboração com as empresas de gestão de resíduos. Sem querer culpar ninguém , as vezes, também era dificil trabalhar com o governo. Lembre-se, a cooperação é a chave – todo mundo tem a sua, seus pró³prios medos e mesmo assim achar culpados apenas torna as coisas piores. A pessoa que tem medo sempre pode encontrar outra desculpa.A pessoa verdadeiramente disposta a resolver o problema vai sempre encontrar um caminho. Como dizem os eslovenos – o objetivo mais importante foi alcançado antes mesmo do Clean-Up Day começar, as pessoas começaram a se importar novamente.

Na sua avaliação, qual será o maior desafio desse projeto no Rio?

O maior problema do lixo da Estônia foi a combinação da falta de civilidade da população com a má administração do lixo. Simplificando, a sociedade civil e os poderes públicos simplesmente não se importavam. Isto permitiu a ignorância florescer. A limpeza começa dentro de si mesmo em primeiro lugar. Você tem que ter elevada auto-estima e orgulho para começar. A campanha Limpa Brasil pode servir como uma excelente ferramenta para o desenvolvimento de ambos. Esta é a parte mais dificil – mas também a mais gratificante.

exemplo na Let's Do It Estonia     : http://www.youtube.com/watch?v=T7GzfMD6LHs

fonte:
www.limpabrasil.com/site/entrevista-com-rainer-nolvak/

São Paulo dá início a programa de reciclagem

29/07/10 - 13:32

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, lançou, nesta quarta-feira (28/07), o Programa Jogue Limpo. Elaborado por meio de um convênio entre a SVMA (Secretaria do Verde e do Meio Ambiente) o Sindicom (Sindicato Nacional de Empresas Distribuidoras de Combustíveis e Lubrificantes), o projeto estabelece o recolhimento de diversos tipos de embalagens, após o uso dos produtos, para reúso e reciclagem.
A coleta ocorrerá na cadeia de revenda dos produtos e as embalagens serão transportadas em veículos especiais para centrais de recebimento. Nesses centros, os produtos serão transformados em fardos e encaminhados para empresas recicladoras.
“Todos sabemos da importância para a cidade de São Paulo da conscientização da população com a reciclagem. Nesse caso, estaremos reciclando produtos recuperados. Caso não fossem reciclados, eles poderiam contaminar o meio ambiente. É um programa ambicioso e que pretende recolher, ainda neste ano, 500 mil embalagens. O Jogue Limpo veio para ficar”, afirmou o prefeito.
O programa se adaptou à Lei nº 13.316/2002, regulamentada pelo Decreto nº 49.532/2008 e pela Portaria SVMA 97/2008, que torna obrigatório na cidade de São Paulo que todas as empresas produtoras e distribuidoras de bebidas, óleos combustíveis, lubrificantes, cosméticos, produtos de higiene e limpeza façam reúso das embalagens comercializadas na Cidade.
“Através da Secretaria do Verde e do Meio Ambiente nós estamos iniciando a vigência dessa lei. O novo plano precisa ser de conhecimento da população para que ela possa fiscalizar esse serviço”, destacou o prefeito.
Com essa legislação, a cidade de São Paulo se torna pioneira na regulamentação dessa coleta, que já acontece em outros países. Agora, as empresas passam a ter o dever de participar da coleta das embalagens de plástico.

Programa Jogue Limpo
O Jogue Limpo começou a ser realizado no Rio Grande do Sul, em 2005. Atualmente, a coleta de plásticos de lubrificantes pós-consumo encaminha para a reciclagem cerca de 12 milhões de embalagens por ano em todo o estado.

Na cidade de São Paulo, a implantação do programa será monitorada no âmbito do Grupo Técnico de Resíduos da Câmara Ambiental de Petróleo da Cetesb. Inicialmente, ele contará com a participação de representantes da companhia, da SVMA, do próprio Jogue Limpo e de um representante de revenda dos produtos.

O grupo ganhará novos representantes à medida que o programa for se expandindo. Neste primeiro momento, ele se desenvolve em postos de abastecimento de combustível, mas a intenção é chegar a transportadoras, supermercados, concessionárias, entre outros locais. Com informações da PMSP.


Flavia Loureiro NAB Núcleo dos Amigos do Brooklin
"INFORMAÇÃO" Direito e Dever de todos Art.5ºXIV,CF/Cap.40 Agenda 21

Saiba mais sobre os ODM-SP nab http://odmsp.blogspot.com/
Rede Mobilizadores COEP ( Comitê de Entidades no Combate à Fome e pela Vida)
www.mobilizadores.org.br/coep - www.mobilizadorescoep.org.br
Prezad@s Amig@s. Estamos ajudando a divulgar. Repassem. Participem. Desejamos compartilhar matérias de interesse de nossa área de atuação, acreditando estar lhe prestando, gratuitamente, um serviço relevante e de qualidade. Desculpe, quem não nos conhece, mas seu nome está na nossa lista (se quiser, retiramos) Ou, se estiver satisfeito, encaminhe-nos suas sugestões de assuntos correlatos e/ou fontes alternativas. Aos amigos, um grande abraço.NAB Nota:grifos/destaques nossos

Conama irá normatizar a coleta de eletroeletrônicos

03/08/10 - 21:17

Os acordos setoriais previstos pela Política Nacional de Resíduos Sólidos - – lei 12.305/2010, publicada nesta terça-feira (03/08) e em vigor - já estão se realizando na prática. A nova legislação, que será regulamentada por decreto ainda neste ano, tem como uma de suas características a logística reversa - o que significa a obrigação dos fabricantes pela destinação de seus produtos depois de descartados pelos consumidores. Outro aspecto que a caracteriza é o estímulo a parcerias que tornarão possível essa tarefa.

Em reunião agendada para setembro, o Conama deverá ter definido consenso a respeito da coleta e destinação de eletroeletrônicos. A partir daí, o assunto vai para as câmaras técnicas e depois para o plenário. As reuniões que tratam sobre a resolução desse tipo de resíduo têm a participação do Ministério do Meio ambiente, da cadeia produtiva e de representantes de estados e municípios. “Vemos com muita satisfação a aprovação da Política Nacional, pois vai facilitar o diálogo que já existe no Conama”, afirma Zilda Veloso, gerente de Resíduos Perigosos.

Zilda explica que esse é um grupo de trabalho que tem a particularidade de tratar de resíduos muito diversos, que vão desde um celular a uma geladeira. O que traz complexidade para a coleta e destinação. “Hoje não existem responsabilidades definidas. Esperamos que a resolução do Conama contemple responsabilidades para os importadores e fabricantes. O que, aliás, é o espírito da Política Nacional de Resíduos Sólidos”, comenta.

A expectativa é compartilhada com o setor produtivo. “Avançamos no debate e já temos diversos pontos de consenso”, diz André Saraiva, diretor de Responsabilidade Social da Associação Brasileira da Indústria Eletroeletrônica. Segundo ele, um desses pontos é justamente sobre as obrigações de cada segmento para que a reciclagem se torne realidade.

Além das questões de responsabilidade ambiental pelo destino de produtos como computadores, celulares, secadores de cabelo, geladeiras, outro motivo que mobiliza a sociedade é o valor econômico dos resíduos. Um dos exemplos da expectativa da indústria foi a presença de Philipp Bohr na reunião mais recente, realizada em 28 de julho. Ele está interessado nas decisões do Conama a respeito da coleta. Isso porque é representante de uma empresa suíça que será inaugurada, em setembro, em São Paulo, para a reciclagem de geladeiras e freezers.

“Temos capacidade de reciclar 420 mil geladeiras por ano, com aproveitamento de frações de aço, plástico, metais não ferrosos, polietileno e o CFC (clorofluorcarboneto), que é canalizado e transformado em ácido de uso industrial”, afirma Phillipp Bohr. Para que essa indústria funcione, o segmento deve estar organizado, para que a coleta não representante custos que inviabilizem o negócio.

André Saraiva explica que o consenso que se desenha no grupo de trabalho se refere justamente a isso - o que não é tão simples como parece, no caso de geladeiras de clínicas laboratoriais, por exemplo. “Uma geladeira com essa origem precisará ser descontaminada.”

Saraiva diz que para se formular a resolução do Conama é necessário ter uma visão geral sobre o assunto. “Não se pode destinar um computador com dados pessoais para a reciclagem, é preciso primeiro deletar informações. Também não é possível transportar sem que se pense na questão jurídica, pois esses computadores são legalmente propriedade de alguém”, disse ainda. Com informações do Conama.

http://www.observatorioeco.com.br/index.php/conama-ira-normatizar-a-coleta-de-eletroeletronicos-em-setembro/

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...